PAPAGAIO: HÁBITOS E REPRODUÇÃO

A criação de Papagaios agora tornou-se possível no Brasil. Conheça um pouco mais dos hábitos desta ave tão talentosa.

A Criação de Papagaio no País!

Hábil imitador da fala humana e de outros sons, como assoviar canções, o divertido Amazonas aestiva aestiva é o Papagaio mais popular em nosso país, entre as 27 espécies do genero Amazonas, das quais 10 encontram-se no Brasil. Ele é encontrado do Nordeste à Foz do Iguaçu e na região central brasileira.
Dócil enquanto jovem, é nessa época que devemos acostumar o Papagaio ao nosso convívio. Alimentado no bico fica muito manso e, se ensinado, aprende a falar (prefere as vozes femininas), pegar objetos e a se empoleirar em nosso dedo e ombro. Ao tornar-se adulto, aproximadamente aos 4 anos, exige mais paciência e pode nos machucar com bicadas sem qualquer aviso, não sendo por isso recomendável para crianças. Pode viver até 60 anos, desde que criado adequadamente.

VIZINHOS

É normal os papagaios gritarem com relativa freqüência. No viveiro, o fazem por cerca de meia hora ao amanhecer e quando estimulados por sons como os de outras aves. É importante levar isso em conta antes de criá-los, para evitar problemas com vizinhos.
Passam mais tempo andando e escalando do que voando, não necessitando de grandes espaços. Podem ser criados soltos, bastando cortar pela metade as penas voadeiras de uma asa (as mais compridas, na extremidade). Uma vez por ano é preciso repetir a operação.

 

 

FILHOTES

Formar casais e cruzá-los é uma opção interessante, facilitada agora pelo novo Criadouro Conservacionista instituído pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente). Uma vez por ano, geralmente no outono, ocorre a muda das penas. Três a quatro meses após, a ave estará pronta para o acasalamento. Nesta época separa-se um casal e coloca-se em um viveiro próprio para a procriação. Uma vez formado, o par deverá ser mantido nos próximos acasalamentos. A tentativa de aproximação de um novo casal deverá ser feita com cuidado, pois nem sempre o macho aceitará a fêmea.
Na época do acasalamento não querem ser incomodados. Por isso, é bom alimentá-los por fora (os de estimação são mais agressivos por temer menos as pessoas). A fêmea põe no máximo 4 ovos brancos. Sai do ninho duas ou três vezes por dia e se alimenta muito pouco. No período de incubação, por volta de 28 dias, o Papagaio tolera a inspeção de seu ninho, mas é temerário fazê-lo quando está nele. Nos primeiros oito dias só a mãe alimenta os filhotes com comida que ela mesmo busca e que podemos reforçar com pão com água e milho verde cru ou cozido. A seguir, pai e mãe alimentam os filhotes juntos. A mãe os aquece dia e noite até 3 semanas antes de sairem do ninho, o que costuma ocorrer entre 60 e 70 dias. Durante ainda uma semana são alimentados pelos pais e a partir do 15° dia podem ser separados ou não dos pais, os quais podem voltar ao viveiro comunitário.


FICHA

Característica do adulto: cor predominantemente verde, combinada com azul na fronte e ao redor do bico; amarelo no topo da cabeça, em volta dos olhos e em pontos da garganta; vermelho (ou vermelho e amarelo) nas extremidades superiores das asas e base da cauda e preto no bico e margens de plumas no pescoço e parte superior do peito.
Características do jovem:cores mais pálidas em especial na cabeça. A íris do olho é marrom escura (laranja no adulto).
Distinção dos sexos: os machos são geralmente maiores, com a íris de coloração mais viva, as faces e frontes mais coloridas. Na época do acasalamento emitem gritos mais estridentes. O laparoscopia é o exame veterinário mais acessível e 100% seguro para indicar o sexo. Feito nas clínicas veterinárias, permite visualizar o órgão sexual por dentro.
Instalações: se criado em viveiro, este deve ter no mínimo 5m de comprimento x 2 m de altura x 2m de profundidade e pode acomodar vários papagaios. Para a procriação é preciso separar o casal, em uma gaiola de, no mínimo, 1m x 60 cm x 60 cm e com 1 ninho (caixa de madeira de 40 x 40 x 30 cm no lado de fora da gaiola, sem forrar). Os poleiros serão de madeira, com espessuras variadas, não passando por cima dos coxos d’água e de comida, para não sujá-los com detritos.,
Alimentação: é importante diversificar. Tudo pode ser servido cru. Frutas e verduras variadas à vontade. Grãos de aveia, milho verde, arroz integral com casca, girassol, alpiste e trigo integral. Acrescente carne ou ração canina uma vez por semana. Diariamente, pode-se dar pão amolecido com água adicionado de vitaminas e sais minerais (sob orientação veterinária). Não dar amendoim nem comida gordurosa.
Para roer:para exercício, limpeza do bico e distração, pode-se fazer uma pedra tipo reboque de parede, com cal (30%) e areia (70%) ou dar tocos e gravetos de árvores (verde ou em decomposição). Se nada fornecermos, roerão os poleiros.

Consultoria: Nelson Kawall, criador especializado em psitacídeos.
Reportagem e redação: Carmen Olivieri. Edição de texto: Marcos Pennacchi
Foto: Priscila Mello

 

 
 
em@il: PETBRAZIL